Outro dia eu lia um artigo de um amigo que defendia a Crossfit nos Estados Unidos. Para uma parte de vocês, a polêmica “anti-crossfit” não é novidade. A defesa dele era que afinal, as garotas ficavam “hot and their asses look great” (gostosas e suas bundas são lindas).

Quem não quer ser bonito? Quem não quer se apreciar? Só mesmo quem estiver com sérios problemas de auto-estima que rejeita o fato natural de se valorizar e ter prazer em construir um corpo que satisfaça a si mesmo.

No entanto, queridos crossfitters, a gostosura das garotas e homens crossfitters é um EFEITO COLATERAL do seu alto grau de força e condicionamento.

Explico: enquanto a abordagem tradicional de treino para hipertrofia, cujo objetivo é apenas produzir forma e cujo resultado em movimento e locomoção é funcionalidade nenhuma, o treino integrado e voltado a múltiplas capacidades funcionais, como é o da crossfit, produz funcionalidade. A expressão EM FORMA da FUNCIONALIDADE é o corpo show de bola, “hot as hell”, das garotas e caras gostosos.

Por que? Porque a hitpertrofia muscular (que produz gostosura) é um efeito colateral da força. A definição (redução de gordura sub-cutânea) é resultado de um balanço metabólico adequado, em geral associado a um condicionamento cardio-vascular intenso.

Então, homens e mulheres em busca de condicionamento: de brinde, vocês ganharam a gostosura.

Beleza, galera, são outros 500: beleza é uma representação que nasce dentro da cabeça de cada um, numa cozinha complicada onde entram os valores do meio social de cada um, a forma como são “simbolicamente metabolizados” pela pessoa, as expectativas, angústias, demandas subjetivas do indivíduo e tantos outros monstros escondidos no nosso inconsciente. Sobre isso, só o que posso dizer é que é mais fácil ser e expressar beleza numa condição integrada, inteira e funcional.

Bons treinos para todo mundo!