1. Não saia de casa antes das 18h
2. Tome quantos banhos forem necessários para restabelecer algum conforto
3. Aumente a ingesta de água, se possível gelada: você vai inchar muito porque uma das respostas agudas ao aumento de temperatura é aumentar o volume plasmático
4. Assim que possível, tente introduzir algumas atividades com certa intensidade cardio-vascular (sim, é extremamente desconfortável, mas demonstrado que acelera a aclimatação)
5. Tenha claro que a depressão que você está sentindo é de origem orgânica – não invente minhocas agora
6. Mantenha-se em local escuro e ventilado
7. Não force a barra: não dá para produzir até um nível mínimo de aclimatação. Em pessoas normais, isso ocorre entre 5-14 dias. Em nós pode simplesmente não acontecer
8. Procure um outro igual a você se você se sentir muito mal
9. Se você parar de suar se sua temperatura corporal aumentar, VÁ IMEDIATAMENTE PARA O HOSPITAL E COMUNIQUE À EMERGÊNCIA QUE SE TRATA DE HIPERTERMIA (por isso você NÃO DEVE se expor ao sol ou sair durante o dia)

 

A maioria dos meus amigos sabe que eu apresento uma forma relativamente extrema de termotipo não-tropical, com o que é chamado de “intolerância idiopática ao calor”. Recolhi algumas referências sobre regulação gênica de aclimatação que ajuda a entender.

Entender a própria condição é importante quando se trata de coisas que não são doenças, mas causam desde mal estar até a morte. Termotipos não tropicais são altamente vulneráveis a episódios de hipertermia, uma ocorrência que pode matar em menos de meia hora, sofrem perturbações importantes do eixo hipotalâmico-pituitário-adrenal e respostas neurológicas e psiquiátricas agudas.

Confusão mental é uma das primeiras respostas a aumentos bruscos de temperatura. Episódios depressivos importantes são comuns.

Cronotipos não tropicais são predominantemente os cronotipos vespertinos. A vida social não é formatada para dar conta das variações cronobiológicas genéticas que a população humana apresenta, de modo que os cronotipos vespertinos são penalizados. A sociedade também é penalizada, pois há dados que sugerem que estão entre estes cronotipos os indivíduos mais criativos.

Pessoas com cronotipo vespertino sofrem com excesso de luz diurna, que tem alta concentração de ondas no espectro azul e ultra-violeta. Existem algumas estratégias de controle, como o uso de um tipo de equipamento ocupacional chamado “óculos âmbar” (é uma proteção contra luz azul). O problema todo é que se ele é um trabalhador da informação, ele também perde todos os links da internet, pois o formato padrão é texto sublinhado e azul.

Cronotipos vespertinos podem sofrer reações psiquiátricas adversas a excesso de luz azul, exatamente como ocorre de forma inversa entre os portadores de depressão sazonal, que reagem à redução de luz azul e podem morrer por isso.

Se você é um cronotipo vespertino e um termotipo não-tropical (chamemos de ártico por enquanto), você provavelmente sofre com a falta de informação científica. Trabalhos científicos em fisiologia humana necessitam populações o mais padronizadas possível. Assim, muitos dados sobre respostas fisiológicas “default” não dão conta do que você sente.

Como médicos não são cientistas e são alimentados com informação de segunda mão, vítimas da falta de tempo para atualização técnica e do bombardeio da indústria farmacêutica, seu médico pode não ter como interpretar suas ocorrências clínicas derivadas de sua condição de cronotipo e termotipo não predominante.

Não somos raros: todos os anos, pessoas como nós morrem como moscas nas ondas de calor europeias, onde nosso termotipo é mais frequente.

Uma opção para nós é nos reunirmos pelo menos para trocar informações técnicas (trabalhos que venhamos a encontrar, contatos com pesquisadores) e experiências pessoais. Também é interessante formar uma rede de apoio, pois em momentos como o atual, corremos risco de vida.

Este texto está em português porque esta ação é irrelevante para países onde a proteção ao calor faz parte das políticas públicas de saúde, como os Estados Unidos.

Se você se entusiasmou com a ideia, deixe seu comentário aqui e entraremos em contato para formar o grupo.

Não se desespere: podemos nos ajudar e atravessar com um pouco menos de sofrimento o novo período de aquecimento global catastrófico, bem como o preconceito social com os cronotipos vespertinos.