A pegada humana foi e continua sendo um grande objeto de estudo e controvérsia científica. Única entre todos os animais, a pegada com polegares opositores foi uma revolução evolutiva que até hoje desafia paleontólogos, anatomistas e antropólogos a interpreta-la.

O fato é que a pegada humana, que envolve principalmente as mãos, mas também o antebraço e se reflete na resposta motora do corpo todo, tem implicações diversas.

Estudos apontam uma forte relação entre a força de pegada e a saúde geral do indivíduo, especialmente em idosos. A força da pegada num determinado dia pode ajudar a prever o desempenho de um atleta naquele dia. A força da pegada, finalmente, está relacionada ao bom desempenho nas tarefas cotidianas.

Pouca gente se dá conta de que a pegada insuficiente para uma tarefa frequentemente acarreta uma compensação negativa postural geral, disparando efeitos lesivos em estruturas aparentemente não relacionadas às mãos e ao ato de pegar.

Para boa parte dos atletas, a pegada está intimamente relacionada à sua performance.

Então vamos treinar pegada, certo?

Pois é, mas temos problemas aí: por motivos ainda desconhecidos, a transferabilidade do ganho de força de pegada em determinados exercícios pode ser baixa para as tarefas-alvo. O quão específico e o quão transferível é um gesto, não sabemos.

Os exercícios para pegada, por outro lado, podem não ter apenas como objetivo a melhora de um gesto especificamente dependente de pegada, como certos golpes nas artes marciais, um arranco, um arremesso ou um levantamento terra. Eles podem estar relacionados com a prevenção e tratamento de lesões crônicas de cotovelo e punho.

Por todos estes motivos e por uma completa ausência de recursos organizados para compreensão e treinamento de pegada é que organizamos este curso.

O público que temos em mente envolve desde treinadores e atletas de artes marciais e esportes de força, até fisioterapeutas, ortopedistas e outros profissionais da área da saúde.

Como todo curso da MAD Powerlifting, será um curso prático-teórico com ênfase na prática (80% do tempo do curso).

Se você é humano, finalmente, é uma boa pedida entender-se com algo tão específico à nossa espécie, não é mesmo?

Para fazer o curso  do dia 11 de maio, envie e-mail para [email protected] e solicite instruções para se inscrever.