Me perguntaram por que eu não fazia o campeonato brasileiro da ANF com  duplo sancionamento, ou, como gostam de dizer aqui, “duas bandeiras”: WPC/IPL. A resposta simples é: porque os livros de regras são diferentes, os protocolos idem e porque eu consultei as matrizes para confirmar.

A resposta mais cuidada é que estas dobradinhas desrespeitam os órgãos de sanção internacional. A maioria faz vista grossa porque é complicado demais lidar com a gestão interna de mais de 30 países que, em sua maioria, infelizmente estão adotando esta prática lamentável.

Existe algo um pouco escuro sob a demanda das “dobradinhas”, além do argumento de praticidade e custo: é o oportunismo. A famosa e não declarada intenção de acumular o maior número de medalhas e troféus possível.

É importante entender que dentro das decisões da ANF de adotar uma perspectiva e atitudes moralizadores está, por um lado, um profundo respeito ao atleta e, por outro, um profundo respeito pelos órgãos de sancionamento. Tenho muito orgulho dos e-mails de resposta que tenho deles dizendo “I trust you, Marilia”.

Não pretendo em momento nenhum decepcioná-los ou comprometer esta confiança.  Aqui, todos os eventos serão de UMA federação OU outra.

Isso é respeito a regras.1011