esporte

Esportização: do jogo ao esporte

Jogos, esporte e esporte moderno: colocando pontos nos i’s Talvez pelo benefício da maturidade, eu não me caso. Não me caso com modelos, não me caso com teorias, nem com ideologias ou religiões – nada disso. Isso evita sectarismo e cegueira. No entanto, é preciso negociar parâmetros mínimos de entendimento de termos e conceitos para

Esportização: do jogo ao esporte Leia mais »

Esporte: multi, trans e inter-disciplinaridade – um recado para a ABRACE

Fui convidada daquela maneira coletiva com que todos os profissionais fomos a participar “lato sensu” da ABRACE – Associação Brasileira de Ciências do Esporte. Deixei lá atrás uma primeira resposta de felicitações, porém indagando sobre a ausência, na própria constituição do objeto desta entidade, das dimensões sociais, culturais, histórica e psicológica do esporte. Pelo menos

Esporte: multi, trans e inter-disciplinaridade – um recado para a ABRACE Leia mais »

Esporte e a interlocução impossível

Este foi meu e-mail da manhã de hoje, dia do trabalho, dia de muito trabalho, para o João: “Vai… acordei e vi na minha inbox notificação daquela discussão triste do forum da UFRJ. As seguintes reflexões me ocorreram: 1. Esporte é um objeto de a. estudo; b. atuação profissional; c. reflexão; d. interação social da

Esporte e a interlocução impossível Leia mais »

Cinqüenta: uns balanços – metamorfoses e identidade – 4

Como diz a Letícia Lanz, esses aniversários com números emblemáticos existem para que a gente faça os balanços e reflexões devidas. A pergunta mais importante, neste quesito é: quem sou eu? Essa pergunta raramente é feita desta maneira e, portanto, quase nunca merece uma resposta direta e sóbria (ainda que seja “eu não sei”). A

Cinqüenta: uns balanços – metamorfoses e identidade – 4 Leia mais »

Cinqüenta: uns balanços – escolhendo as batalhas – 3

Uma das coisas de que eu tenho mais orgulho é minha vitória, nesse round, contra a culpa. Fala sério: quantas pessoas da minha geração podem reivindicar essa revanche sobre nosso principal algoz, hein? Hein? Um brinde a mim. Essa vitória também faz parte da “encarnação cinqüenta”. A verdade é que boa parte dos militantes de

Cinqüenta: uns balanços – escolhendo as batalhas – 3 Leia mais »

Oito bons motivos para você apoiar o projeto “Força para a Força”

(Projeto de crowdfunding “Força para a Força” – clique e apoie!) O motivo zero, me disseram, é que você ganha recompensas em todas as categorias de apoio, desde as mais modestas até as corporativas. Isso sempre é uma vantagem, certo? Mas tem a questão da identidade. Você se identifica com o projeto? Se sente no

Oito bons motivos para você apoiar o projeto “Força para a Força” Leia mais »

Chegamos a 20% – o número que permite sonhar (projeto “Força para a Força”)

Chegamos a 20%. Passamos um pouco, na verdade. Isso aconteceu depois de uma contribuição crucial. Uma amiga pessoal. Não veio do mundo dos esportes: veio do mais indiscutível nicho dos produtores culturais. O apoio da Lúcia teve mil sentidos. Foi o ponto da virada, o “turning point”, aquele depois do qual é possível nutrir esperança

Chegamos a 20% – o número que permite sonhar (projeto “Força para a Força”) Leia mais »

“Qual é o estrago que uma refeição errada pode fazer ?”

Recebi esta pergunta hoje e reproduzo a resposta, já que ela é recorrente: “Todo e nenhum”. Uma refeição ruim no contexto positivo de um envolvimento profundo no seu processo de integração corporal não significa nada. É comum um atleta não ter nada para comer, não ter como preparar seu whey e comer uma coxinha no

“Qual é o estrago que uma refeição errada pode fazer ?” Leia mais »

Um louvor à objetividade de propósitos – ou por que é desnecessário trair e destruir as pessoas para fazer bons negócios

Essa semana, discuti um item de nossa parceria com uma dupla de amigos e parceiros. Amigos que são parceiros, leia bem. Foi simples: eu os chamei e disse que o formato daquela empreitada “x” não satisfazia os meus interesses comerciais plenamente. Se fosse possível alterá-la sem ferir os interesses da empresa deles, tudo bem. Caso

Um louvor à objetividade de propósitos – ou por que é desnecessário trair e destruir as pessoas para fazer bons negócios Leia mais »

Rolar para cima