http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2008/141108.htm

http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/CP/CP%5B24416-1-0%5D.PDF

[email protected]

A todos os atletas e amantes do esporte: a ANVISA deliberou sobre uma “consulta pública” de pobre divulgação a partir da qual pretende, na prática, proibir a disponibilização de suplementos esportivos a todos aqueles que não tenham GRANA para pagar consultas médicas ou com nutricionistas e obter uma prescrição – prescrição esta indicada somente para atletas de alto rendimento, segundo o governo. Leiam a notícia e a íntegra da consulta, acima. A “regulamentação” proposta, na prática:

1.       Inviabiliza o consumo legal de suplementos esportivos pela imensa maioria dos atletas, que, como sabemos, não têm recursos para pagar consultas e obter prescrições para suplementos

2.       Destrói um setor importante do nosso mercado, que é o do comércio de suplementos esportivos. Poucas lojas de suplementos terão condições de se manter em funcionamento vendendo produtos apenas para os portadores de receitas

O argumento da nutricionista Marcia Cecília de Brito, quanto a ausência de comprovação científica para a eficácia dos suplementos esportivos e o benefício que oferecem a praticantes de atividade física em geral é ofensivo (e idiota). É de se perguntar onde tal profissional obteve seu diploma e se já ouviu falar de bases de dados como PubMed ou Medline. Uma simples consulta com termos de busca como “branched chain amino acids” + “hiv” ou + “aging” acaba com qualquer dúvida que possa existir quanto à importância destes suplementos para além do esporte (e obviamente para o atleta). O mesmo se pode fazer com “whey protein” e outros suplementos.

Levado ao extremo, o argumento da ANVISA deverá requerer uma prescrição de nutricionista ou médico para ser apresentada ao dono da quitanda, já que o consumo de alimentos deve ser feito sob a tutela credenciada de profissionais organizados em corporações.

Naturalmente, não é disso que se trata, pois os reais objetivos por trás da medida são de outra natureza: trata-se da luta de interesses poderosos como o das redes de farmácias, indústria farmacêutica, corporações profissionais e, naturalmente, a corrupção governamental de sempre.

É hora de nos unirmos para protestar contra mais este ato de autoritarismo dos pequenos e grandes burocratas que, aposto meu diploma e credenciais no que digo, não têm o menor respaldo científico para seus atos.

 

  • Anônimo

    O que existe por detrás das proibições da Anvisa

    Olá Marília,

    Venho acompanhando o seu blog já há algum tempo e após ter visitado inúmeros sites que se propõe a analisar os diversos aspectos que envolvem os esportes de força – como métodos de treinamento, nutrição e suplementação, comportamento e etc…- posso afirmar que o seu blog preenche uma lacuna na internet, que é a de uma análise um pouco mais profunda e mais ”filosófica”, se assim posso chamar. Ao ler os seus textos tenho aquela boa sensação de que a autora é alguém que ”sabe o que está falando”, o que é reconfortante, visto a abundância de artigos por aí repletos de afirmações levianas e sem nenhum embasamento científico.

    E por falar em afirmações levianas e sem embasamento : Todos nós sabemos que a Anvisa não está preocupada com a saúde dos praticantes de atividades e que a suas decisões quanto a proibição de determinadas substâncias não refletem os potenciais riscos que essas substâncias eventualmente tenham – o que no caso do BCAA chega a ser ridículo.

    Você indicou rapidamente neste post os interesses escusos da indústria farmacêutica e das grandes corporações. Será que você poderia escrever um outro post examinando com mais detalhes essa relação dos grandes laboratórios farmacêuticos e como eles se articulam e influem em decisões governamentais? Particularmente esse caso da Anvisa : Proibição de BCAA, creatina, CLA – ignorando os inúmeros estudos que comprovam a segurança e eficácia dessas substâncias.

    Obrigado pela atenção e parabéns pelo ótimo blog

    Marcelo Pereira