Sobre preparação, costuma-se dizer que “sorte é o que acontece quando a oportunidade encontra a preparação”. Resolvi pesquisar a origem deste enunciado. Atribui-se o mesmo a Seneca, filósofo romano do primeiro século antes de Cristo. Aparentemente, a frase, em diferentes formatos, esteve presente em textos da língua inglesa desde o começo do século XX. Pelas evidências, sua origem é um destes autores, e não Seneca. Deste, o mais próximo que se encontra ao enunciado é uma citação do amigo Demetrius, o Cínico:

“The best wrestler,” he would say, “is not he who has learned thoroughly all the tricks and twists of the art, which are seldom met with in actual wrestling, but he who has well and carefully trained himself in one or two of them, and watches keenly for an opportunity of practising them.” — Seneca, On Benefits, vii. 1

(O melhor lutador, diria ele, não é aquele que tiver aprendido profundamente todos os truques e detalhes da arte, que raramente são enfrentados na luta de fato, mas aquele que tiver bem e cuidadosamente se treinado em uma ou duas destas técnicas e esperado com precisão uma oportunidade de aplicá-las)

Seja como for, o enunciado é bom. É evidente que, numa situação de jogo, o acaso desempenha um papel. O jogo inclui o IMPREVISTO, caso contrário deixaria de ser jogo. Veremos depois o papel do imprevisto na prontidão competitiva. No entanto, antes de estar competitivamente pronto, o atleta – já talentoso – precisa estar PREPARADO.

A preparação consiste no conjunto de ações planejadas no tempo em função do desafio competitivo, considerando o maior número de itens previsíveis que se possa. A preparação inclui:

  1. A preparação física: condicionamento – o atleta deve estar fisicamente condicionado para que possa recrutar e empregar com a maior eficiência respostas técnicas e mentais
  2. A preparação técnica – consiste da parte do treinamento dedicado ao aprendizado, consolidação e melhoria dos gestos esportivos envolvidos no esporte e na competição específica
  3. Preparação física: nutrição – a nutrição do atleta deve ser planejada para otimizar o treinamento e competição durante todo o período envolvido
  4. Monitoramento clínico – como todo ser humano, os parâmetros fisiológicos do atleta respondem a demandas e devem ser monitorados para otimizar a performance
  5. Pré-habilitação – trata-se das estratégias de prevenção de lesão
  6. Preparação psicológica – a preparação psicológica consiste no treinamento de habilidades cognitivas e emocionais envolvidas nas demandas do jogo. A preparação psicológica inclui, entre outras, a identificação e otimização dos tipos de resposta a cada demanda esportiva; a identificação de atitudes e comportamentos detrimentais e conducentes a boa performance em treino e em competição; a preparação para o evento competitivo em si, ou seja, a construção das condições ótimas para prontidão competitiva

Poderíamos dividir a preparação em três grandes grupos com grande superposição e interfaceamento:

  1. Preparação física
  2. Preparação técnica
  3. Preparação psicológica

Assim como o talento, a preparação não garante o sucesso competitivo. A preparação administra as variáveis previsíveis da “prova de performance”. Ela também garante as melhores condições físicas e mentais para a manifestação da prontidão competitiva.