Não tenho quase escrito, nem neste blog, nem no outro. Não por falta de assunto nem por falta de vivências, mas porque estas fazem parte do universo das coisas que não podem ser ditas. Tenho me sentido amordaçada, tanto pelo que vejo e vivo de bom quanto pelo que vejo e vivo de ruim. Mundos clandestinos, mundos sob mundos, que talvez um dia, com o afastamento do tempo, eu possa partilhar. Mundos às vezes terríveis, outras vezes delirantemente lindos. Coisas que me revoltam, que me fazem ter vontade de ir às ruas e gritar até perder a voz, denunciar os horrores e mentiras.

Mas não posso.