Isso aqui é um tópico da comunidade Bodybuilding-Brasil do Orkut (http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=1608263&tid=2438935717775330251&start=1 ) , onde possivelmente sejam postados comentários bem interessantes de gente que passou por coisas semelhantes.
É a continuação do relato/discussão do tópico “overtraining”, que postei alguns dias atrás aqui no blog também. Na comunidade, considerei apenas continuar o tópico “overtraining” mas, pensei mais e achei pouco organizado: melhor separar porque assim, mais tarde, se alguém quiser consultar, não vai precisar adivinhar que grudamos um assunto no outro porque uma doida fez um monte de merda com sua própria rotina de treino.
Ok: sumi por um tempo do mundo virtual. Passei um dos natais mais surrealistas da minha vida, no Hospital São Luiz, com parte da minha família ali querendo saber se, afinal, eu estava contaminada por um exótico virus tropical ou apenas grávida, essa sem-vergonha. Não estava grávida, não era um exótico virus tropical: era SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA DE TREINO!!!!!
Olha que merda: dia 15 de dezembro fui treinar perna e me senti esquisita, o corpo não pegou no tranco, tudo aquilo que eu já expliquei no tópico “overtraining”. Blz. Repouso recomendado. Durante dois dias, fiquei chapadíssima, tonta, dormindo mal mas sonada o dia inteiro, zombie. Tomei uns bagulhos pra forçar o sono e aí comecei a melhorar. Fui melhorando, melhorando, até mais ou menos quarta, dia 21, quando os mesmos sintomas e alguns novos voltaram: sono zuado, enjôo, mal-estar generalizado, corpo sem se decidir se tinha frio ou calor, fome ou vontade de vomitar, rir ou chorar, e nada da maldita menstruação descer… Suspeitas óbvias. Aí, no dia de natal, passei tão mal, meio desmaiando e tal, que me levaram para o hospital. Eu não estava grávida. Em compensação, TODOS os meus hormônios importantes estavam fora de ordem, incluindo insulina e quetais. Fodeu geral. Como disse o Croc, meu relógio biológico virou daqueles de camelô da 25 de março (quem mora em Sampa sabe do que estou falando) que para, acelera, pula o dia… coisinha inútil.
Passei por um monte de médico, uns coitados dando plantão em pleno natal, até que um, que obviamente puxava ferro porque me perguntou quanto eu botava no supino (pra me mandar NÃO BOTAR), parece ter matado a charada: o repouso deu uma recuperada inicial no organismo, que superou alguns sintomas do overtraining, mas logo entrou em SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA. Aviso aos navegantes: pouquíssima gente vai sofrer sintomas tão graves de abstinência quanto eu, não porque eu seja a gostosona que treina mais que todo mundo, mas porque, por motivos complicados de explicar em poucas palavras aqui, meu orgnanismo não funciona sem treino. Eu só não sabia quanto tempo ele demoraria para dar tilt e entrar em greve. Demora bem pouco!
Moral da historia (apesar de que prometo pesquisar a literatura técnica para enriquecer a erudição dos iron brothers da comu assim que eu acordar de novo, daqui a muitas horas): overtraining requer repouso, mas com cuidado, porque parar total dá s. de abstinência. O pior é que eu lembro de ter lido isso em algum lugar enquanto pesquisava overtraining. E.. putz… coach Croc falou pra voltar com pesinho gay e eu resolvi ser radical e repousar totalmente, pensando que seria bem mais legal. Me fodi…

PORÉM, BOAS NOTÍCIAS! Voltei a treinar ontem e hoje já me sinto outra – melhora radical, como sair de um interminável porre de licor de ovos, se é que sobreviver a uma merda dessas é possível.

Bom, agora, às 2:16 da manhã, um dos horários malucos em que estou acordada (na verdade cheguei agora…) com esse organismo pirado meu, fico por aqui, partilhando mais essa sabedoria adquirida na base da tentativa e ERRO, MUITO ERRO, que foda.

(PS – isso quer dizer que eu voltei, mais ou menos… tudo depende do quanto eu dormir ou acordar, o que está bem doido – ontem dormi 18 horas – então só vou entrar em tópicos úteis ou muito divertidos)

Marilia


BodyStuff