Meus amigos têm uma comunidade sobre treino com peso livre (http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=10161807). Para quem não é do ramo, no treino de força existem máquinas e pesos livres. Há algo de ideológico na opção por peso livre. Quem treina com peso livre tem um certo orgulho. Por que? Bem, pesos livres sempre permitem utilizar mais carga, de modo que é uma “marca’ de quem treina pesado. No entanto, o que mais caracteriza o treino com pesos livres é que eles exigem uma consciência corporal e domínio técnico muito maior. O treino com pesos livres requer uma percepção muito precisa sobre os músculos sendo recrutados para o movimento, o que só praticantes com mais experiência têm.
Enfim: peso-livre é uma marca dos “fodões”.
No entanto, eu tenho um motivo nada grandioso para preferir pesos livres. Aliás, o oposto de grandioso: é que sou uma mini-atleta. Como pessoa minúscula (1,52m), TODAS as máquinas são inadequadas para mim. Meu antebraço é tão curtinho que a porcaria das máquinas para bíceps me forçam mais o punho do que qualquer outra coisa; os supinos retos, só com o banquinho no máximo e mesmo assim a angulação fica meio ruim; no desenvolvimento; as flexoras e extensoras pegam o pé no ponto errado. Enfim: um inferno. Detesto máquinas, tão boas para sedentários e iniciantes. Mas eu já fui uma iniciante e no dia em que comecei a ter acesso a pesos livres, minha vida mudou. Foi altamente libertador.
Enfim, existem motivos grandiosos e microscópicos para um atleta gostar de pesos livres…

Marilia


BodyStuff