Wagner Bortolato ficou em segundo na final. Poderia ter vencido, poderia ser penta-campeão mundial, mas a lesão o atrapalhou e perdeu… por falta… Que lástima, mas que grande atleta. Nunca conheci um tetra-campeão mundial de um esporte realmente competitivo. Canso de dizer que no powerlifting títulos importam quase nada, com quarenta federações internacionais e tantas outras locais. Marcas sim. Mas na luta de braço, a coisa é diferente. Um campeão é um campeão, com mérito e não "boasting" (confete em si mesmo, tão comum no powerlifting). Fico ao mesmo tempo admiradíssima e orgulhosa de conhecer alguém tão capaz e talentoso, e mais triste e desanimada ainda com o Brasil, que não dá o devido reconhecimento a seus atletas e pessoas de real mérito. O Brasil é um país de fakes… Triste.