Ou cubital tunnel syndrome. Tentei por um tempo lidar com ela do meu jeito, ou seja: ignorando-a. No pain, no gain. A origem dela não foi mistério, nunca: abri demais a pegada do meu supino, esperando com isso obter mais vantagem mecânica. Certamente exagerei. Existe uma abertura ótima de pegada para cada atleta e pelo que pude concluir do que existe publicado (http://rapidshare.de/files/33850220/BP_grip.zip.html ) e da experiência do meu técnico, mais do que biomecânica determina qual é. A técnica que o sujeito domina ou não, sua estrutura muscular e as particularidade anatômicas e fisiológicas, no fim, é que vão pesar. E por “particularidades”, entende-se tudo que é totalmente individual, irredutível a estudos com pretensão epidemiológica ou de validade universal. Sei lá: é assim que é o MEU, e somente o meu, tríceps, deltóide, nervo, o escambau.

Faz algumas semanas que estou driblando essa dor e finalmente, a semana passada, resolvi ir ao Fabiano (meu ortopedista). Pedi a ele para inventar um jeito de eu: 1. não parar de treinar PESADO; 2. não tomar anti-inflamatório; 3. não ter muita dor; 4. não deixar de subir minhas marcas; 4. competir o resto dos eventos do ano. Pobre Fabiano. Ele sempre faz alguma mágica e a que eu mais gosto é eletro-acupuntura, que sempre me deu resultados sensacionais.

Ele disse que tentaríamos, mas me explicou que seria diferente. O que eu tenho agora é uma lesão em nervo, e não muscular ou articular. A resposta ao tratamento é bem diferente. Essa lesão é uma compressão do nervo ulnar, também chamada de “cubital tunnel syndrome”. O nervo ulnar começa na espinha e percorre o braço até os dedos exteriores da mão. No percurso, ele se aloja no chamado “cubital tunnel”, atrás do cotovelo. Esse túnel é formado por músculos, ligamentos e osso.

 

 

 

Causas diferentes podem levar o nervo a se irritar e, comprimido no túnel, produzir uma série de sintomas desagradáveis que incluem dor e adormecimento de partes do antebraço e dedos, até a perda de força e capacidade de contração dos dedos. No meu caso, é dor forte no cotovelo e antebraço e algum adormecimento no antebraço.

Fiz uma busca na literatura para me entender com minha lesão, que é o meu jeito de lidar com as coisas. Não sei se gostei muito de me dar conta de que a solução cirúrgica, que envolve a descompressão simples do nervo, é uma possibilidade concreta. Não sei se confio nisso e se não tenho muito medo das chances de que isso prejudique meu progresso em performance no supino. Preocupação frívola? De modo algum. Só um outro atleta comprometido e apaixonado pode entender a ansiedade que os desdobramentos de uma lesão causam. Ou médicos que lidam com essas criaturas ao mesmo tempo tão colaborativas e tão rebeldes, os atletas.

 

Marilia

 

BodyStuff

 

  • Yuri

    Oi, Marilia! Tenho compressão do nervo ulnar e epicondilite lateral no mesmo braço! Pode indicar como você tratou do problema no nervo?
    Não consegui encontrar a sequência dessa saga… Torço para que esteja melhor, e que um dia eu melhore também para poder voltar a treinar e ter qualidade de vida.
    Obrigado. Abraço!

    • Marilia Coutinho

      Oi, Yuri, eu tratei com gelo e modificações em certos exercícios. Por exemplo, executando todos os movimentos de extensão de cotovelo, exceto o supino propriamente dito, com pegada neutra. Em seis meses desinflamou. Tomei anti-inflamatório por uns 5 dias apenas. Mas leva tempo…

      • Yuri

        Pois é não queria parar de treinar
        No exame indicou que estava “inchado” 3mm mais que o normal… Enfim, vou tentar estas adaptações de pegada neutra.
        A epicondilite lateral não sei se encontro a cura, já rodei três clínicas e diversas sessões sem muito sucesso… Muito difícil lidar com isso…
        Eu já diminui o volume de exercícios no treino, Tenho ido 4x na semana, dividindo em lower e upper.. ainda assim incomoda, sinto o inchaço da epicondilite…
        Enfim… Se tiver alguma alternativa de tratamento para indicar.. se não tiver tudo bem, agradeço enormemente a sua atenção.. abraço e felicidades!!

        • Marilia Coutinho

          Bem-vindo ao mundo dos benchers 🙂 ! Sinto muito, Yuri, é mesmo muito chato. Epicondilite tende a se tornar crônica e é bem colorida. Coisas para não esquecer: 1. boa pré-ativação; 2. não esquecer de treinar extensão e flexão de punho (antebraço); 3. ALONGAR antebraço!! (isso é o principal, pois o que torna a epicondilite crônica e pode até mesmo levar à necrose de áreas da inserção tendínea é um permanente estado de encurtamento); 4. (pode ser…) compressa quente antes e gelo depois. Gelo depois funciona para muita gente; 5. Eu não passo uma estação de supino mais pesado sem passar capsaicina no cotovelo. Boa sorte!

          • Júnior Rocha

            Boa tarde Marília, você conseguiu se curar totalmente da compressão do nervo ulnar? Precisou de fisioterapia? Obrigado, abraço.

          • Marilia Coutinho

            Sim, Junior, totalmente. Dá uma lida nas respostas acima. Só que tem que ter muita paciência, gelo todo dia e modificar vários movimentos. Meu carro na época tinha manivela para abrir a janela e doia bastante, para você ter ideia. A ideia é adaptar movimentos de flexão e extensão para ângulos que não comprimam tanto e simplesmente eliminar alguns movimentos. Demorou uns 6 meses…

          • Júnior Rocha

            Muito obrigado Marilia, só de saber da possibilidade de realmente curar já me alivia muito, pois não quero parar de treinar de maneira alguma. Meu antebraço e meu cotovelo estão doendo e queimando muito, além do formigamento, mas com seu relato já me dá um conforto. Mais uma vez muito obrigado pela atenção, te acho foda pra caralho. Muito sucesso e felicidade, um grande abraço.

          • Marilia Coutinho

            Eu não sei onde você está, mas se precisar, meu médico no Brasil é o Dr. Fabiano Rebouças, da ORTESP. Mas é em Sampa. Fica frio que isso passa! 🙂 abraço

          • Júnior Rocha

            Estou no interior de MG :/, o ortopedista que me atendeu não foi muito positivo, por isso que fiquei tão preocupado. No dia a dia (fora da academia)você teve que adaptar ou deixar de fazer algo? Muito obrigado pela educação e pela disponibilidade em me ajudar. Grande abraço

          • Marilia Coutinho

            Ah, sim: meu carro tinha manivela para abrir a janela e era um sacrifício. Pequenas coisas. Não lembro mais de todas, mas em geral você acha uma posição que doi menos…

          • Júnior Rocha

            Boa tarde Marilia, deixa te amolar pela última vez rsrs. No exame que você fez para verificar a compressão foi observado alguma alteração da funcionalidade motora de algum dedo da mão? Obrigado mais uma vez

          • Marilia Coutinho

            Oi Junior, no meu caso ainda não tinha chegado a formigamento ou amortecimento dos últimos dois dedos da mão, que é o esperado. O pior era a dor, mesmo. Mas não se preocupe: é comum, além de perda de força nestes dedos.

          • Júnior Rocha

            Muito obrigado Marilia, desculpe novamente a amolação. Grande abraço

          • Marilia Coutinho

            Boa sorte! 🙂

          • Adriana Ferreira Lima

            Bom dia. Tudo bem? Qual foi o antiflamatorio que usou como tratamento

          • Marilia Coutinho

            Acho que nimesulida. Eu estava no Brasil

  • Denis Flex Macena

    Olá Marília tudo bem? Estava pesquisando na Internet e achei interessante esse poste…um caso muito parecido com o meu…estou com estes sintomas no meu braço direito..treixo intensamente e faz tempo que meus dedos mindinho e anela ficam dando aqueles choques…com algumas dores no cotovelo…já fiz alguns exames (resonancia e eletroneumiografia) mas deu tudo ok. Mas ainda sim continuo com esse sintoma..vi que o seu normalizou com anti inflamatórios? Como era a sua rotina de treino vc pegava mais leve?fazia algum tipo de alongamento específico?