Embora tenham muitas relações e um influa diretamente sobre o outro, não são a mesma coisa. Não se pode abordar qigong com esse jeitinho delicado que eu tenho com o levantamento de peso, onde a única coisa que pode me impedir de executar um movimento é a impossibilidade fisiológica. O “vai e foda-se” não funciona… É bom. Outro aprendizado. O tal “ouvir o corpo”, que comigo só funcionou no passado quando ele gritou muito alto.

 

  • Anônimo

    Feliz saber de você

    Marília,
    Bom te rever, e rever vendo que você está fazendo coisas que você gosta, com paixão, muito tempo sem saber por onde você anadava(a não ser uma breve notícia na Folha de São Paulo anos atrás num espaço de reclamações do consumidor ou algo assim).
    Bom rever e ver que você produz onde você acha espaço, bom rever e ver que você continua racional e muito lúcida com o que faz.Fiquei muito feliz em te re-descobrir, e estou lendo seus textos do Blog com muito entusiasmo, afinal você é uma pessoa que consegue por no papel o que muitos sentem , mas não conseguem expressar.
    Legal mesmo saber de você.
    Conte comigo, mesmo sem saber por onde…
    bjs
    Walter